Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Camaquã - RS e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura Municipal de Camaquã - RS
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Twitter
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAR
02
02 MAR 2023
AGRICULTURA
GABINETE
Prefeitura e entidades decidem por decretar situação de emergência devido à estiagem
enviar para um amigo
receba notícias
Prejuízos nas culturas do milho, feijão e soja chegam a R$ 88 milhões.
 
Em reunião realizada na tarde desta quinta-feira, 2 de março, na sede da Prefeitura de Camaquã, o Governo Municipal e entidades ligadas ao setor primário decidiram decretar situação de emergência no município devido à estiagem.
 
O encontro envolveu o Prefeito Ivo de Lima Ferreira, a Defesa Civil de Camaquã, a AUD, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Camaquã, o Sindicato Rural de Camaquã e Arambaré, a EMATER, o IRGA, a Secretaria Municipal da Agricultura e Abastecimento, a Secretaria Especial de Governo e a Secretaria Especial da Mulher, do Trabalho e Desenvolvimento Social. Os representantes de cada entidade e órgão definiram por unanimidade pela decretação de situação de emergência devido ao avanço nas perdas nas lavouras.
 
O Executivo e as entidades só decidiram pela decretação de emergência neste momento em razão dos requisitos mínimos de perda nas produções estabelecidos pelos governos Estadual e Federal e que ainda não haviam sido atingidos.
 
Uma das principais culturas do município, a soja, foi crucial para as entidades decidirem pela decretação de situação de emergência. Cultivo com a maior extensão de área plantada em Camaquã, a soja teve perdas que variam de 20 a até 60%. A EMATER estimou prejuízos de mais de R$ 88 milhões nas culturas do milho, do feijão e, principalmente, da soja. A AUD destacou o nível muito baixo do índice pluviométrico que mede as chuvas na região.
 
O Prefeito Ivo destacou que todos os envolvidos já estavam atentos e já haviam realizado outras reuniões para tratar deste tema. “Nós estamos fazendo esse acompanhamento desde o início do ano, e até então as perdas nas lavouras não haviam alcançado os requisitos mínimos para que nós pudéssemos entrar com o decreto. Com esses dados atualizados, nós devemos oficializar o decreto já na próxima semana”, declarou o chefe do executivo camaquense.
 
As entidades agora irão enviar relatórios, laudos e documentos complementares para a Prefeitura poder decretar a situação de emergência, que depois deverá ser homologada pelo Estado e reconhecida pela União.
 
Com o decreto, o Município poderá receber mais auxílios do Estado e da União para minimizar os danos causados pela estiagem. Além disso, os produtores que sofreram com as perdas poderão renegociar dívidas mais facilmente.
Autor: Tarso Ribeiro - Ascom Prefeitura de Camaquã
Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia